ETHOS MEIO AMBIENTE

Bancos precisam melhorar avaliação socioambiental do crédito ao setor agropecuário, diz estudo


06/02/2017

Compartilhar

Pesquisa identifica que os maiores bancos emprestaram cerca de R$ 200 bi ao setor, mas ainda deixam de considerar riscos socioambientais específicos destas atividades

Nesta segunda-feira (16), o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) lança o estudo “Os bancos colhem o que plantam? – Questões socioambientais no financiamento ao setor agropecuário”. A publicação, que faz parte do projeto Guia dos Bancos Responsáveis (GBR), traz uma avaliação de como os bancos brasileiros aplicam critérios socioambientais ao conceder crédito para empresas e projetos agropecuários. Foram avaliados os cinco bancos comerciais que têm maior exposição da carteira de crédito ao setor: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander.

As cinco instituições declaram avaliar e monitorar empréstimos concedidos em questões sociais e ambientais e divulgam algumas práticas e políticas para concessão de crédito. O estudo, no entanto, também identificou que, apesar dos bancos terem emprestado cerca de R$ 200 bi ao setor agrícola em 2015, ainda existem poucos sistemas e recursos para garantir que projetos que não cumpram com boas práticas socioambientais não sejam financiados.

Para chegar a esse resultado, foram avaliados quais critérios os bancos incluem ao analisar as solicitações de financiamento do setor agrícola que chegam até eles. Foram verificados ainda quais são os sistemas de governança e implementação adotados para que esses critérios sejam, de fato, aplicados.

A pesquisa também teve um foco em três principais commodities – soja, carne e óleo de palma. Apenas Santander e Banco do Brasil apresentaram, em suas políticas, critérios específicos para os riscos socioambientais associados à agricultura, sendo que somente o primeiro considera riscos específicos da produção de óleo de palma e soja. Com relação à transparência, somente o BB detalha o total de crédito concedido aos segmentos de óleo de palma e carne.

Esses dois bancos tiveram os melhores resultados da análise, que pontuou as instituições em uma escala de 0 a 10. O Banco do Brasil, responsável pelo maior montante financiado às atividades agropecuárias em 2015, atingiu o resultado de 4,77, ocupando a segunda posição na análise atrás do Santander (5,07), que obteve o melhor desempenho por seus sistemas de avaliação socioambiental nas operações de crédito. Itaú (4,16), Caixa (3,25) e Bradesco (2,71) completam o ranking.

“O Brasil está entre os maiores produtores de commodities agropecuárias, sendo que temos a maior produção de soja e a segunda maior de carne bovina. Portanto, espera-se que, ao investir nestes segmentos, os bancos fiquem atentos a questões que impactam o consumidor diretamente, como os agrotóxicos que chegam à mesa, ou indiretamente, como o desmatamento associado a essas atividades.”, afirma Elici Bueno, coordenadora executiva do Idec.

De acordo com o relatório, os bancos abordam questões de trabalho escravo, infantil e violação de direitos humanos na avaliação socioambiental dos projetos que financiam, mas falta clareza quanto aos métodos utilizados para monitorar e negar empréstimos a empresas que violam esses direitos. Ainda como recomendação, o estudo sugere que as instituições aumentem a transparência sobre o total financiado às principais commodities de suas carteiras e sobre os instrumentos de análise socioambiental dos projetos, além de incluir nas políticas de investimento aspectos específicos para o setor agrícola, como a questão hídrica e de bem-estar animal.

Sobre o projeto
O Guia dos Bancos Responsáveis é uma iniciativa do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) com o apoio da Oxfam Novib e com atual suporte financeiro da Agência Sueca de Desenvolvimento Internacional (SIDA). A iniciativa faz parte da Fair Finance Guide International, uma rede internacional de organizações da sociedade civil, que envolve nove países e visa o fortalecimento do compromisso das instituições financeiras com temas sociais e ambientais.
A pesquisa foi encomendada pela Fair Finance Guide International à Solaron, empresa especializada em pesquisa de questões sociais, ambientais e de governança, e contou com contribuições da equipe do Guia dos Bancos Responsáveis.

Por IDEC, Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor

Foto: Agora MS

ESTUDO DO SISTEMA DE INTEGRIDADE NACIONAL, JÁ DISPONÍVEL Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas

CONTATO

© 2016 Instituto Ethos - Todos os direitos reservados.